Rabiscos do Samuel Junior

Origem da Expressão



ORIGEM DA EXPRESSÃO

Sem eira nem beira

Antigamente, os telhados das casas possuíam eira e beira, detalhes que conferiam status ao dono do imóvel. Possuir eira e beira era sinal de riqueza e cultura. Sem eira nem beira significa que a pessoa é pobre, sem dinheiro, muitas vezes sem ter onde morar.



Escrito por Samuel Junior >
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




ORIGEM DA EXPRESSÃO

“Rasgar seda”

 

Estive ontem em Natal assistindo a goleada de 5 x 0 que o time do ASSU enfiou no ABC.

 

A alegria da torcida do Camaleão do Vale era contagiante. Já durante o jogo, no final da partida e por todo o dia de hoje foi só comemoração. É todo mundo “rasgando a seda” sobre a atuação do ASSU.

 

Mas, você sabe a origem do termo “rasgar seda”?

 

O termo teve seu primeiro registro em uma peça – sem título – do teatrólogo Luis Carlos Martins Pena, considerado o fundador da comédia de costumes no Brasil.

 

Na peça um vendedor de tecidos tenta cortejar uma moça. Vai até a casa dela e, como pretexto, diz que foi até lá para lhe oferecer mercadorias “apenas pelo prazer de ser humilde escravo de uma pessoa tão bela”. A moça percebeu a intenção do vendedor e replicou: “Não rasgue a seda, que se esfiapa”.

 

Com certeza que a torcida vai esquecer todos os “pecados” passados e continuar “rasgando a seda” do Camaleão do Vale. A fase agora é só de elogios incontidos. Afinal 5 x 0 foi a maior goleada sofrida pelo ABC desde a inauguração do Frasqueirão.

 

O ASSU merece!



Escrito por Samuel Junior >
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




ORIGEM DA EXPRESSÃO

“Pinga e Aguardente”

 

Você já tomou uma pinga ou aguardente? Ao menos procurou saber como surgiram esses nomes? Não???!!! Então o Blog do Samuel Junior vai contar para você.

Antigamente, no Brasil, para se ter melado os escravos colocavam o caldo da cana-de-açúcar em um tacho e levavam ao fogo. Não podiam parar de mexer até que surgisse uma consistência cremosa.

Um dia, cansados de tanto mexer e com serviços ainda por terminar, os escravos simplesmente pararam e o melado desandou! Que fazer? A saída que encontraram foi guardar o melado longe das vistas do feitor.

No dia seguinte, encontraram o melado azedo (fermentado). Não pensaram duas vezes e misturaram o tal melado azedo com o novo e levaram os dois ao fogo. Resultado: o azedo do melado antigo era álcool que aos poucos foi evaporando e se formaram no teto do engenho umas goteiras que pingavam constantemente. Era a cachaça já formada que pingava. Daí o nome PINGA.

Quando a cachaça pingava e batia nas costas dos escravos, marcadas com as chibatadas dos feitores, ardia muito. Por isso, ganhou o nome de água ardente – a popular AGUARDENTE.

Caindo em seus rostos e escorrendo até a boca os escravos viram que a tal goteira “dava um barato” e passaram a repetir o processo constantemente.

Hoje, a pinga, aguardente ou, simplesmente, cachaça é símbolo nacional!



Escrito por Samuel Junior >
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Nordeste, ASSÚ, E-mail: samuelnfj@bol.com.br, Homem
Histórico
Categorias
  Todas as Categiorias
  Evento
  Citação
  Charada da Imagem
  Filosofia das Estradas
  Origem da Expressão
  Moral da História
  Enigma
Outros sites
  E-mail do Blog: samuelnfj@bol.com.br
  BOL - E-mail grátis
  Assuguia
  Rádio Princesa do Vale
  Rádio Assu FM
  Liga Açuense de Desportos
  UOL - O melhor conteúdo
  Blog Assu é Assim
  Blog Assu Melhor Sempre
  Blog de Alderi Dantas
  Blog de Ana Valquiria
  Blog Boletim Seridoense
  Blog do Borjão
  Blog de Carlos Santos
  Blog de Charlles Degoule
  Blog do Chico Zé
  Blog de Evanio Araújo
  Blog de João Moacir
  Blog de Jonnathan Pessoa
  Blog do Jornal do Vale
  Blog de Juscelino França
  Blog de Luiz Carlos Petroleiro
  Blog do Oliveira Wanderley
  Blog de Marcos Cabral
  Blog de Mário Negócio
  Blog de Paulo Tarcisio
  Blog de Romildo Queiroz
  Blog da Thaisa Galvão
  Blog de Toni Martins
  BlogduCana
  Revista Imaginativa
Votação
  Dê uma nota para meu blog